quinta-feira, 14 de abril de 2011

curiosidades sobre o beijo

Nos contos de fadas, grandes sucessos do cinema e também na vida real, o beijo sela momentos de amor, carinho e paixão. Um encontro romântico dos lábios acelera o pulso, dilata as pupilas e intensifica a respiração. Mas a ciência e a história revelam outros aspectos desse momento especial. No dia 13 de abril é comemorado o Dia do Beijo e, para celebrar, selecionamos alguns dados inusitados sobre ele.
O primeiro beijo erótico sobre o qual se tem evidência foi trocado em torno do ano 1.500 A.C, na Índia. Na Antiguidade, os romanos beijavam vestes e anéis de seus líderes para demonstrar submissão e respeito. Já na Idade Média, o gesto era visto como uma forma de selar acordos, com a boca fechada e firmeza no encontro dos lábios, explica Pedro Paulo Carneiro no livro "Dossiê do Beijo" (Editora Catedral das Letras). Segundo o autor, entre os persas, o beijo na boca era usado para saudar um amigo do mesmo nível social e, na Grécia, só era usado entre familiares e amigos muito próximos.
Calorias do beijo
Beijar estimula o cérebro a produzir o oxitocina, um hormônio que nos dá sensação de bem-estar. Durante um beijo apaixonado, uma pessoa movimenta 29 músculos e também gasta calorias – 5 deles são equivalentes a um quindim, segundo Cerneiro. Veja como queimar as calorias de outros alimentos beijando:

Fonte: "Dossiê do Beijo", Pedro Paulo Carneiro, Editora Catedral das Letras

 
Beijo milenar
 
Promissor – ou nãoUm primeiro beijo ruim pode impedir que o relacionamento vá pra frente. O encontro dos lábios ajuda na seleção dos parceiros, já que estimula a troca de sensações e testa a compatibilidade dos pretendentes. Mais da metade das mulheres (59%) e dos homens (66%) já terminou uma relação em função de um beijo que não foi bom, segundo Sheril Kirshenbaum, pesquisadora da Universidade do Texas e autora do livro "The Science of Kissing " (“A Ciência do Beijo”, ainda não lançado no Brasil). Na publicação, ela diz ainda que o primeiro beijo é mais marcante para as pessoas que a perda da virgindade.
 
Destros e canhotosNa hora de beijar o parceiro, dois terços das pessoas viram a cabeça para o lado direito, segundo um estudo do pesquisador alemão Onur Güntürkün, da Universidade Ruhr. Ele observou 124 casais se beijando nos Estados Unidos, Alemanha e Turquia e sugere que a escolha de lado tem origem em preferências espaciais desenvolvidas no fim da gestação e início da vida, além de questões culturais.
RecordeUm casal tailandês bateu o recorde do beijo mais longo em fevereiro de 2001. Eles passaram mais de 46 horas com os lábios em contato em uma “maratona” de casais organizada na cidade Pattaya. O maior beijo até então registrado durou 32 horas, na Alemanha

Nenhum comentário:

Postar um comentário