quinta-feira, 21 de abril de 2011

A História Das Joias: Nos primórdios: de 5000 a 2000 a.C.

Quando nem era possível imaginar o que seria a história da moda, as joias já eram uma das mais antigas formas de arte decorativa. O reconhecimento da beleza de certas pedras e metais preciosos fez diversas civilizações se renderem aos seus encantos.
Sete mil anos se passaram desde que as primeiras pedras, conchas e sementes se tornaram amuletos preciosos nas sociedades antigas. Muitas pedras rolaram na história das joias antes de elas se tornarem símbolos da realeza ou desejo de consumo de fashionistas. Acompanhe, a seguir, um pouco dessa trajetória inspiradora. 
Teremos todos os dias uma breve história dividida em várias épocas!

Nos primórdios: de 5000 a 2000 a.C.

Segundo historiadores e arqueólogos, é difícil estabelecer uma data exata para o início da história das joias, pois pedras e outros materiais rústicos eram usadas com finalidades diferentes, como amuletos ou símbolos de riqueza de fato. Descobertas feitas durante escavações em vilas pré-históricas do Oriente Médio ajudaram a compreender essa trajetória. Mas, antes de tudo, é preciso considerar como diferentes culturas viam as matérias-primas, as simbologias divinas e a estética envolvida na criação. Técnicas, pedras, cores, formas e estilos revelam o que o uma joia diz sobre uma sociedade.
JULIANA SAYURI
Pulseiras, correntes e outros artefatos na exposição do British Museum, em Londres.
Pulseiras, correntes e outros artefatos na exposição do British Museum, em Londres.
Obsidiana, um vidro negro translúcido cristalizado nos vulcões do Lago Van (atual Turquia), era um dos materiais mais presentes na região. Fragmentos dele foram usados em alguns dos colares mais antigos da história, encontrados em Arpachiyah (atual norte do Iraque), datados de 5000 a.C. Cara e rara, a peça era considerada um luxo entre os povos da Mesopotâmia. Entre a Idade da Pedra e a Idade dos Metais, com o domínio das ainda rudimentares técnicas de fundição, materiais como o cobre, o bronze e o ferro alavancaram o desenvolvimento humano e ganharam destaque na joalheria.
JULIANA SAYURI
Colares, pulseiras e braceletes rudimentares na exposição do British Museum, em Londres.
Colares, pulseiras e braceletes rudimentares na exposição do British Museum, em Londres.
Na cidade suméria de Ur (atual sul do Iraque), muitas joias de 3000 a.C. foram descobertas nos túmulos de reis e rainhas. As escavações revelaram ricas coleções de joias, com lápis lazuli, ouro, prata e red cornelians. Na mesma linha, o material vindo das tumbas dos faraós no Egito mostram que havia técnicas avançadas na joalheria da época, com colares, braceletes e brincos feitos de cornelian, lápis lazuli, jásper, feldspato e turquesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário